top of page

Nos tempos de Gungunhana

Nos tempos de Gungunhana é uma peça de teatro baseada na tradição oral dos contadores de histórias africanas, onde um único elemento se desdobra em vários personagens para, com a cumplicidade do público, retratar alguns episódios mágicos paralelos à vida do célebre rei tribal moçambicano Gungunhana.
O texto da peça é em parte uma recolha dos relatos de "Ualalapi", obra premiada do escritor moçambicano Ungulani Ba Ka Khosa, condecorado pelo estado português com o grau de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, pelo seu contributo para o enriquecimento das letras moçambicanas e para a divulgação de Moçambique e das suas culturas a nível internacional.
Nos tempos de Gungunhana é enfim, um conjunto de histórias dentro de uma história, uma obra que parte de um tempo histórico e de uma cultura particular para depois seguir numa viagem universalista e sem fronteiras.

23334270_10155848932348535_3191305659454573087_o.jpg
2gun.jpg

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

Criação/Interpretação: Klemente Tsamba | Textos originais: Ungulani Ba Ka Khosa | Apoio/Assistência criativa: Filipa Figueiredo, Paulo Cintrão e Ricardo Karitsis. | Adereços e figurinos: Klemente Tsamba | Fotografia: Margareth Leite e Danilo Ferrara

 | Duração: 60 min. | M 16 anos.

CIRCULAÇÃO DO ESPECTÁCULO

Com participação em festivais de teatro de países tais como: Angola (Luanda), Brasil (São Paulo, Porto Alegre, Salvador da Bahia, Fortaleza, Maranhão, Piauí e Rio de Janeiro), Cabo-Verde (Santiago e São Vicente), Espanha (Valência), Finlândia (Lahti), Turquia (Izmir e Istambul, Moçambique (Maputo) Portugal (Alentejo, Ilha da Madeira, Lisboa, Setúbal, Almada)

SINOPSE


​Era duma vez um guerreiro da tribo tsonga chamado Umbangananamani, que fora em tempos casado com uma linda mulher da tribo Macua chamada Malice. Não tiveram filhos. ​Mas tentaram muito.
Este é o mote que dá início ao grande karingana ou conto tradicional sobre a vida de um simples guerreiro, mas que rapidamente se vai transformar numa sequência de outros pequenos karinganas onde se relatam aspectos curiosos ligados ao reino de Gungunhana.
Mas este karingana, não tem nada a ver com Gungunhana!
Voltemos então à história: Karingana wa Karingana!

VIDEO | TEASER

CRÍTICA
 
Klemente Tsamba, que cruza o teatro físico e a oralidade numa interpretação fluida e de uma autenticidade notável enquanto narrador, ao justo modo da tradição oral dos contadores de histórias. 
O tempo linear de uma época é envolvido no tempo fantástico da fábula e do misticismo, a ponto de assistirmos a uma pequena cerimónia de magia, que evoca a cultura ancestral. A dinâmica de constante transformação deste actor, que se duplica numa das esposas de Gungunhana, é de uma expressividade muito envolvente e a contínua requisição do público para participar nas histórias, sempre em tom de provocação, dá a esta narrativa e à interpretação uma vertente vivida e integrada do tempo histórico e da tradição, com a participação desta comunidade que é o público. O protagonista sussurra, modela a sua voz, toca um instrumento, passando também nós a pertencer ao mundo deste karingana (conto tradicional moçambicano).


JINI AFONSO in Revista UMBIGO

bottom of page